Publicidade

Chipmaker Broadcom fecha acordo de US$ 69 bilhões para comprar VMware

Chipmaker Broadcom fecha acordo de US$ 69 bilhões para comprar VMware

Publicidade

A fabricante de chips de computador Broadcom concluiu a aquisição da empresa de computação em nuvem VMware por US$ 69 bilhões (£ 55 bilhões), encerrando um dos maiores acordos de aquisição no setor de tecnologia.

O acordo foi examinado por reguladores em todo o mundo antes da última autorização da China.

Havia preocupações de que poderia ser afetado pelas tensões EUA-China.

A aprovação segue-se a uma reunião entre os presidentes Joe Biden e Xi Jinping na cimeira da Apec nos EUA na semana passada.

A empresa americana Broadcom – com sede em San Jose, Califórnia – projeta, desenvolve e fornece chips semicondutores, ao mesmo tempo que oferece soluções de software de infraestrutura.

A VMware – também uma empresa americana com sede em Palo Alto, Califórnia – desenvolve software de virtualização que permite ao usuário executar um computador virtual em um computador físico para aumentar a eficiência do sistema computacional.

O presidente e CEO da Broadcom, Hock Tan, disse que estava entusiasmado em reunir suas equipes para construir “a empresa líder mundial em tecnologia de infraestrutura”.

Juntos, eles esperam criar ambientes de nuvem privada e híbrida onde os usuários possam executar “aplicativos em qualquer lugar”.

Para concluir o negócio, a empresa buscou e recebeu autorizações legais de fusões na Austrália, Brasil, Canadá, China, União Europeia, Israel, Japão, África do Sul, Coreia do Sul, Taiwan e Reino Unido.

As ações da VMWare deixarão de ser negociadas na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), segundo a empresa.

Os EUA e a China estão envolvidos numa guerra comercial desde 2018, quando o então presidente dos EUA, Donald Trump, impôs tarifas e outras barreiras comerciais à China.

Chips avançados, que são usados ​​em tudo, desde carros, smartphones até aviões de combate, têm sido a mercadoria mais recente.

No mês passado, a China reagiu à decisão da administração Biden de impor novas restrições às suas exportações.

Mas os dois líderes que se reuniram durante a cimeira da Apec conseguiram chegar a acordo sobre uma série de questões que vão desde o combate conjunto às alterações climáticas até à retoma da comunicação militar.

Apesar do presidente Biden chamar o presidente Xi de “ditador”, os meios de comunicação estatais da China saudaram-na como uma cimeira “histórica” ​​que seria um “novo ponto de partida” para as suas relações.

A Broadcom está envolvida nas tensões entre as duas maiores economias do mundo.

Em 2017, a empresa anunciou o que teria sido o maior acordo de aquisição da rival Qualcomm.

Mas quatro meses depois, foi bloqueado por Trump, depois de autoridades de segurança nacional dos EUA terem alertado que um acordo poderia ajudar a China a ultrapassar os Estados Unidos na corrida para desenvolver a tecnologia 5G.

Fonte: bbc

CATEGORIAS