Publicidade

Ford registra prejuízo líquido de US$ 3,1 bilhões no primeiro trimestre, vinculado à queda das ações da Rivian

Ford registra prejuízo líquido de US$ 3,1 bilhões no primeiro trimestre, vinculado à queda das ações da Rivian

Publicidade

A Ford Motor Co. registrou um prejuízo líquido de US$ 3,1 bilhões no primeiro trimestre, atribuível a uma queda no valor de sua participação na Rivian, mas afirmou a orientação para o ano, apesar das contínuas limitações de produção.

A Ford era lucrativa antes de contabilizar o investimento da Rivian, embora o lucro ajustado tenha caído 41% em relação ao ano anterior, para US$ 2,3 bilhões antes de juros e impostos. Sua margem de lucro ajustada foi de 6,7%, queda de 4,1 pontos percentuais.

A receita durante o último trimestre caiu 5% para US$ 34,5 bilhões, informou a empresa na quarta-feira. O valor das ações da Rivian da Ford caiu mais da metade para US$ 5,1 bilhões durante o trimestre. As ações da startup EV despencaram cerca de US$ 102 por ação no início do ano para cerca de US$ 50 em 31 de março – e caíram ainda mais em abril para cerca de US$ 30.

Na quarta-feira, executivos se recusaram a comentar os planos da Ford para a holding Rivian, embora o CEO Jim Farley tenha dito ao Automotive News no final do ano passado que a Ford “armou seu futuro como empresa”. A Ford não pode vender sua participação de aproximadamente 12% na startup de veículos elétricos até que um período de bloqueio para investidores pré-IPO termine no próximo mês.

Segundo a Ford, a escassez de microchips do setor prejudicou a produção da empresa em janeiro e fevereiro, mas a produção de março foi maior. Seus embarques no atacado caíram 9% no trimestre para cerca de 970.000.

“A capacidade deste negócio é muito mais forte do que conseguimos fornecer no trimestre”, declarou o CFO John Lawler a repórteres.

“A Ford tem cerca de 53.000 veículos esperando por chips ou componentes relacionados, e a maioria deles são suas maiores e mais lucrativas linhas de veículos, como o F-Series ou Explorer”, disse Lawler.

A empresa faturou US$ 1,59 bilhão no último trimestre na América do Norte, abaixo dos US$ 2,9 bilhões registrados um ano atrás. Ela faturou US$ 50 milhões na América do Sul, US$ 207 milhões na Europa e US$ 96 milhões em seu Grupo de Mercados Internacionais. Perdeu US$ 53 milhões na China.

Além de uma melhora trimestral na América do Sul, a Ford teve um desempenho pior em cada uma de suas outras unidades de negócios em comparação com o mesmo período do ano passado.

A montadora reafirmou sua orientação anual de US$ 11,5 bilhões a US$ 12,5 bilhões em EBIT ajustado, o que marcaria um aumento de 15 a 25 por cento em relação a 2021. A Ford espera que os volumes de produção aumentem entre 10 e 15 por cento em relação aos níveis de 2021.

Os executivos da Ford disseram estar otimistas de que os volumes continuarão a aumentar na metade do ano. Eles mantiveram a orientação em grande parte devido à demanda contínua pelos veículos da Ford.

Segundo Lawler, a Ford tinha cerca de 400.000 veículos em seu banco de pedidos no final de março, e esse número representa cerca de US$ 17 bilhões em receita.

A empresa está aproveitando o momento do lançamento formal de fabricação do F-150 Lightning EV nesta semana. O CEO, Jim Farley, afirmou que a Ford já construiu cerca de 2.000 Lightnings e que os primeiros modelos serão enviados para clientes comerciais em poucos dias.

“O segundo tempo é muito crítico para nós”, disse Farley. “Temos a oportunidade de construir volumes que não tínhamos há algum tempo e temos muitos produtos ótimos e frescos, muitos custos entrando no negócio, mas o segundo semestre é realmente crítico para a empresa.”

As ações da Ford subiram 2,5% para US$ 15,20 nas negociações do mercado de reposição, na quarta-feira.

As ações da Rivian subiram 1,7%, fechando a quarta-feira a US$ 31,22.

Fonte: Automotive News

CATEGORIAS