Publicidade

Pieter Elbers deixará o cargo de CEO da KLM no próximo ano

Pieter Elbers deixará o cargo de CEO da KLM no próximo ano

Publicidade

Pieter Elbers deixará o cargo de CEO e presidente da KLM no próximo ano, depois que o conselho da companhia aérea decidiu não renovar seu contrato para um terceiro mandato. “Tendo em vista o término de seu segundo mandato, que oferece ao conselho fiscal um momento natural para consideração, após consulta com Pieter, concluímos não entrar em um terceiro mandato”,  declarou Cees ‘t Hart, presidente do conselho fiscal da KLM em um comunicado divulgado na noite de quinta-feira. A busca por um sucessor ocorre em um momento em que “o plano de reestruturação foi amplamente implementado, o que posiciona bem a KLM para recuperação e desenvolvimento adicional”, explicou. “Com 30 anos na KLM, 11 anos no conselho de administração, incluindo dois mandatos como CEO, Pieter tem um enorme histórico e importância para a KLM.

Analistas veem a saída de Elbers do comando da KLM como um movimento da Air France-KLM para promover a integração da empresa franco-holandesa. Embora o estabelecimento da Air France-KLM em maio de 2004 tenha marcado a primeira fusão entre duas companhias aéreas de bandeira europeia, a integração entre as divisões francesa e holandesa ficou para trás em relação a outros grupos de companhias aéreas europeias criados posteriormente, como Lufthansa e IAG. O fato da KLM ter superado operacional e financeiramente sua companhia aérea irmã francesa e de ter conseguido realizar rodadas de reestruturação sem grandes greves, em contraste com a Air France, aprofundou as tensões de longa data.

A compra surpresa, em fevereiro de 2019, de uma participação adicional de 12,68% no grupo Air France-KLM pelo estado holandês destacou as tensões no mais alto nível político. O governo holandês argumentou que precisava aumentar sua participação acionária para colocá-la em pé de igualdade com a propriedade do estado francês e “para poder influenciar diretamente o desenvolvimento futuro da Air France-KLM, a fim de garantir o interesse público holandês”. A França sustentou que a Air France-KLM deve permanecer livre de “interferência estatal”.

Elbers permaneceu como um defensor ferrenho da autonomia da KLM dentro do grupo, uma abordagem não apreciada em Paris e também pelo CEO da Air France-KLM, Ben Smith. A Air France-KLM nomeou Smith, ex-executivo da Air Canada, como CEO em 2018, em um movimento destinado a melhorar a lucratividade do grupo.

O pedido de dezembro de 2021 da Air France-KLM de 100 aeronaves da família Airbus A320neo com direitos de compra de 60 aeronaves adicionais, para renovar as frotas da KLM, Transavia Netherlands e Transavia France, enviou o mais recente sinal da influência diminuída da KLM e Elbers. A KLM e a Transavia são operadoras de fuselagem estreita da Boeing. Os sindicatos holandeses prontamente expressaram preocupação de que a mudança da Boeing para a Airbus resultaria em uma mudança do trabalho de MRO da Holanda para a França.

Um esforço anterior de Smith para expulsar Elbers, em 2019, falhou depois que os funcionários da KLM organizaram uma petição em apoio ao seu CEO.

Os funcionários lançaram uma petição on-line semelhante para manter Elbers no topo da KLM. Os organizadores pediram ao governo holandês, que atualmente detém uma participação de 9,3% no grupo, “para investigar por que Pieter Elbers está deixando a KLM e esperar que o máximo seja feito para revisar a decisão do conselho”. Atualmente, a França é o maior acionista, com uma participação de 28,6%.

Em uma breve declaração, Smith disse estar agradecido pelo espírito com que este processo de não renovar o mandato de Elbers como CEO foi realizado.

“Agradeço a Pieter por seu compromisso e sei que posso contar com ele e toda a equipe da KLM para garantir uma transição de liderança tranquila com seu sucessor”, concluiu Smith.

De sua parte, Elbers manteve uma postura diplomática.

“Estou entregando o bastão com total confiança”, comentou Elbers. “Não é preciso dizer que estou comprometido em apoiar a KLM nesta transição para a nova liderança. Estou extremamente orgulhoso desta empresa e de seus funcionários fantásticos. Especialmente nestes tempos agitados e difíceis, eles continuam sendo a força da KLM”.

Elbers deixará a KLM em maio de 2023, o mais tardar. Coincidentemente, o mandato de quatro anos de Smith como CEO da Air France-KLM também terminará no mesmo mês.

Fonte: ainonline

CATEGORIAS

COMMENTS

Wordpress (0)
Disqus (0 )