Publicidade

Mitsubishi busca consolidação petroquímica no Japão

Mitsubishi busca consolidação petroquímica no Japão

Publicidade

Mitsubishi Chemical Holdings, a maior empresa química do Japão, anunciou recentemente um plano para separar suas operações petroquímicas e químicas baseadas em carbono em um negócio autônomo que acaba de sair. Jean-Marc Gilson, o novo CEO da empresa, espera que a medida estimule outros participantes da indústria química do Japão a tomar medidas semelhantes e, eventualmente, combinar operações, mas não está claro se eles estarão dispostos a seguir.

Quando Gilson ingressou na Mitsubishi em abril, após passagens por empresas ocidentais como Dow Corning e Roquette, ele foi o primeiro CEO estrangeiro da fabricante de produtos químicos. Desde o início, Gilson disse que seu objetivo era criar uma empresa mais enxuta com uma equipe mais diversificada. A separação química básica é o primeiro passo nessa direção.

“Os custos de energia no Japão continuarão a aumentar acentuadamente a partir de agora, enquanto o mundo se move em direção à neutralidade de carbono”, disse Gilson em uma coletiva de imprensa anunciando o plano. “A reorganização e integração dessas operações são inevitáveis ​​e obrigatórias para nós. Vamos separar nossos negócios petroquímicos e exortar outros players do setor a fazer movimentos semelhantes, assumindo assim a liderança na integração das operações petroquímicas domésticas.”

A Mitsubishi pretende concluir a separação das duas operações em 2023. Gilson quer concentrar os recursos gerenciais da empresa em setores de alto valor agregado e crescimento, como eletrônicos e ciências da vida. “As duas operações não correspondem ao perfil do negócio de especialidades químicas que queremos construir no médio prazo”, disse Gilson.

Juntas, as vendas anuais das operações petroquímicas e de carvão são de aproximadamente US$ 4,5 bilhões, cerca de 20% das vendas totais da Mitsubishi Chemical Holdings.

Mikiya Yamada, analista de ações da Mizuho Securities que segue a Mitsubishi, aplaude a decisão. “A decisão deles vale a pena notar pela forma como foca as operações de negócios em campos promissores. A Mitsubishi tem uma estrutura corporativa única que abrange desde petroquímicos básicos até produtos farmacêuticos”, observa ele. “A separação planejada é voltada para o futuro em termos de simplificação da estrutura complexa”.

Esta não é a primeira vez que a Mitsubishi toma medidas para reestruturar seus negócios petroquímicos no Japão. A empresa encerrou a produção de eteno, um petroquímico básico, em Yokkaichi em 2001 e desativou uma planta de eteno em Kashima em 2014. Dois anos depois, a Mitsubishi formou uma joint venture de eteno em Mizushima com a Asahi Kasei Corporation, permitindo que a Asahi Kasei fechasse seu cracker de etileno na cidade.

Outras empresas tomaram medidas semelhantes. O número de crackers de etileno no Japão caiu de 15 para 12 de 2014 a 2016, quando as empresas fecharam fábricas mais antigas e menores. A capacidade de eteno do país durante esse período encolheu para 6,2 milhões de toneladas métricas por ano de 7,0 milhões de toneladas métricas, de acordo com a Associação da Indústria Petroquímica do Japão.

Gilson vê a necessidade de ações adicionais da Mitsubishi e de outras empresas, não para encerrar a produção de produtos químicos básicos no Japão, mas para tornar o negócio mais eficiente por meio de mais reorganização e integração das operações agora concorrentes. Empresas como a Braskem no Brasil e a LyondellBasell Industries nos EUA são creditadas com o fortalecimento do setor petroquímico em seus países por meio de tais movimentos de consolidação.

“Precisamos concentrar recursos gerenciais na criação de um modelo de negócios e tecnologia sustentáveis”, declarou Gilson na entrevista coletiva. “A produção doméstica de produtos químicos básicos é indispensável para a segurança econômica nacional.”

Yamada, no entanto, argumenta que a decisão da Mitsubishi não deve estimular uma reorganização maior da indústria no Japão. Ele ressalta que as margens de lucro no negócio de eteno, quase inexistentes no momento, devem aumentar, fazendo com que outras empresas hesitem em se desfazer de suas operações.

Um cenário alternativo, na opinião de Yamada, é que os crackers de etileno no oeste do Japão operados por empresas como Showa Denko e Mitsui Chemicals estejam conectados virtualmente e operados como se fossem um único centro de etileno. Essa cooperação ajudaria as empresas a aliviar a carga de seus ativos químicos básicos.

Os funcionários da Mitsubishi negam que a separação planejada seja um meio de ajudar a empresa a cumprir suas metas anteriormente declaradas de reduzir as emissões de dióxido de carbono em 29% globalmente e 43% no mercado interno até 2030 em comparação com o nível de 2019. “Nossa meta de redução das emissões de CO2 não contém as emissões decorrentes da separação dos negócios petroquímicos e de carvão”, informou um funcionário. “Atingiremos nosso objetivo prometido por meio da conversão de energia e outros meios”.

Fonte: C&EN

CATEGORIAS

COMMENTS

Wordpress (0)
Disqus ( )