Publicidade

Lucros da BASF ficam abaixo das estimativas com problemas de gás na Europa

Lucros da BASF ficam abaixo das estimativas com problemas de gás na Europa

Publicidade

A deterioração das condições econômicas na Europa, na Alemanha em particular, afetará negativamente os resultados do terceiro trimestre da BASF e está levando a maior empresa química do mundo a executar um programa de corte de custos de quase US$ 500 milhões.

A invasão da Ucrânia pela Rússia agitou os mercados de energia europeus. À medida que o apoio da Europa Ocidental à Ucrânia no conflito cresceu, a Rússia apertou a torneira do gás natural do qual a Europa depende. A oferta caiu 50% até agora este ano e pode cair ainda mais.

Os preços do gás natural na Europa são quase o dobro do que eram no início do ano. Algumas plantas químicas, que dependem do gás como energia e matéria-prima, funcionam com 40-50% da capacidade, segundo a consultoria Wood Mackenzie .

A BASF divulgou números preliminares mostrando que suas vendas no terceiro trimestre se mantiveram nesse ambiente, aumentando 12% em relação ao mesmo trimestre de 2021. O aumento foi devido ao aumento dos preços de venda de seus produtos e ao dólar forte, que inflacionou seus resultados em euros . Os volumes de vendas diminuíram.

Em contraste, os lucros do trimestre cairão 27%, para cerca de US$ 900 milhões. Os resultados, que estão abaixo das estimativas dos analistas para a empresa, incluem um encargo de US$ 700 milhões para refletir um declínio no valor da participação da BASF na Wintershall Dea, uma empresa de energia com extensas operações na Rússia. O lucro antes de impostos e itens especiais também caiu, cerca de 28%.

A empresa sofreu um prejuízo na Alemanha, que depende muito do gás russo. Devido aos resultados e “à deterioração das condições estruturais na região”, a BASF diz que está implementando um programa de redução de custos de quase US$ 500 milhões nos próximos dois anos.

O programa se concentrará na Europa, particularmente na Alemanha. Mais da metade da economia visada virá do principal site da BASF em Ludwigshafen. A empresa diz que os cortes virão de “áreas de não produção”, incluindo “divisões operacionais, de serviço e pesquisa e desenvolvimento”.

Chris Counihan, analista de ações da firma de investimentos Jefferies, reagiu aos cortes planejados em nota aos clientes. “Pelo lado positivo, a BASF é proativa ao abordar sua posição de custo na Alemanha”, escreveu ele. “No entanto, sua capacidade de mitigar totalmente a posição europeia desfavorável na curva de custos (matéria-prima, preços de energia etc.) parece desafiadora.”

Fonte: C&EN

CATEGORIAS
TAGS