Publicidade

O setor privado pode seguir a iniciativa inteligente de grandes líderes

O setor privado pode seguir a iniciativa inteligente de grandes líderes

Publicidade

O setor privado pode seguir a iniciativa inteligente de grandes líderes
Medo do fracasso versus inovação no setor de transporte.

Temos o privilégio de viver em uma época de progressão exponencial da tecnologia, como nunca vimos. No entanto, pode-se argumentar que uma quantidade significativa desse avanço é feito puramente porque temos a capacidade de fazê-lo. Desenvolver soluções de tecnologia projetadas para melhorar tangivelmente a vida das pessoas — como a revolução anunciada pela introdução do iPhone — é onde os avanços tecnológicos se tornam fascinantes.

Há muito poucas coisas que afetam nossa sociedade na medida em que o transporte faz. Desde nossa capacidade de ir ao trabalho, escola, assistência médica e reuniões importantes, até a entrega dos bens de que precisamos para sobreviver e prosperar, todos os aspectos de nossas vidas dependem de redes de transporte e cadeias de suprimentos confiáveis. Apesar disso, nossos sistemas de tráfego estão lamentavelmente desatualizados, com algumas áreas de nossa infraestrutura datando de mais de 70 anos. Imagine o impacto da inovação efetiva nessa área em nossas vidas diárias, desde a redução drástica do tempo que passamos presos no trânsito até a melhoria da qualidade do ar que respiramos por meio de menos emissões.

O secretário de Transportes do USDOT, Pete Buttigieg, reconheceu a importância e o potencial da implantação eficaz de tecnologia ao se dirigir aos participantes da Reunião Anual de 2022 do Conselho de Pesquisa e Transporte dos EUA afirmando: “Não devemos adquirir ou implantar tecnologia por si só, mas sempre usando a inovação como um poderoso ferramenta para avançar… segurança, equidade, clima, força econômica e preparar nosso país para o futuro”.

Mas mesmo com uma extensa pesquisa, como podemos – e mais especificamente estados e municípios – ter certeza de quais tecnologias de transporte realmente farão a diferença?

A resposta é simples na teoria – por meio de testes e aprendizado, algo que você pode ver no setor de educação é agora, enquanto eles tentam resolver a lacuna futura, concentrando-se mais nos sistemas e nas habilidades de resolução de problemas que serão necessárias para navegar em um mercado mais mundo de tecnologia avançada.

Na prática, é aqui que o desejo de inovação muitas vezes esbarra em um obstáculo, devido ao medo do fracasso. No governo, há uma retórica constante sobre a adoção da tecnologia, mas a realidade é que, quando se trata de adoção e implementação, os tomadores de decisão costumam ser muito conservadores.

Considere aprovar um orçamento hipotético de US$ 10 milhões em um projeto que falha. Mesmo que tenha sido uma boa ideia, pode resultar em consequências políticas, midiáticas e públicas significativas. As inovações que são implantadas geralmente podem levar muito tempo, o que não é bom o suficiente com os desafios do nosso ambiente atual e as ramificações imediatas. Simplesmente não podemos levar anos para pesquisar uma solução tecnológica.

Então, como essa mentalidade pode ser mudada? Bem, um passo extremamente significativo já foi dado ao se comprometer com a inovação na escrita, não apenas nas palavras. O secretário Buttigieg recomenda “permitir a experimentação e aprender com o fracasso”. Essa direção nunca foi escrita como uma prioridade política antes e acredito que motivará os tomadores de decisão a se envolverem com a inovação e ver o que acontece, em vez de dizer não porque não foi visto antes. setor privado

A única coisa que pode nos deter é o medo do fracasso; não pode haver mais desculpas para o setor público e privado não ultrapassar isso e se comprometer a construir um amanhã melhor para todos.

Fonte: Smart industry

Notícias do setor industrial você encontra aqui no portal da indústria brasileira, Indústria S.A.

 

CATEGORIAS
TAGS