Publicidade

Preços do petróleo nos EUA chegam a US$ 90 o barril pela primeira vez desde 2014

Preços do petróleo nos EUA chegam a US$ 90 o barril pela primeira vez desde 2014

Publicidade

O petróleo dos EUA ultrapassou os US$ 90 na quinta-feira (03) pela primeira vez desde 2014, à medida que a demanda por produtos petrolíferos aumenta enquanto a oferta permanece restrita.

Os futuros de petróleo do West Texas Intermediate, a referência do petróleo dos EUA, ganharam mais de 2%, chegando a US$ 90,23 por barril. A última vez que os preços estiveram acima da marca de US$ 90 foi em outubro de 2014. O petróleo Brent, de referência internacional, subiu 1,7%, sendo negociado a US$ 91. O Brent chegou a US$ 90 em 26 de janeiro.

O petróleo teve um rali vertiginoso desde que caiu para mínimos recordes em abril de 2020 – o WTI foi negociado brevemente em território negativo – com a demanda retornando, mas os produtores mantiveram a oferta sob controle. As tensões geopolíticas entre a Rússia e a Ucrânia, bem como no Oriente Médio, também causaram nervosismo no mercado.

O WTI subiu quase 20% no ano, com base no ganho de mais de 50% em 2021. À medida que os preços do petróleo sobem, vários analistas de Wall Street preveem que o preço chegue a US$ 100.

Ed Moya, da Oanda, acrescentou que parte do aumento de quinta-feira se deve às baixas temperaturas e a uma possível queda na produção.

“O mercado de petróleo está tão apertado que qualquer choque na produção fará os preços dispararem. A produção da OPEP + está no controle de cruzeiro com sua estratégia de aumento gradual, o que significa que o petróleo parece que vai correr para US$ 100 em breve”, disse ele.

Na quarta-feira (02), a Opep e seus aliados produtores de petróleo, um grupo conhecido como Opep+, decidiram manter um cronograma anunciado anteriormente e aumentar a produção de março em 400.000 barris por dia. À medida ocorre quando o grupo enfrenta pressão, inclusive dos EUA, para aumentar a produção em um esforço para aliviar a rápida valorização dos preços do petróleo.

“O mercado continua otimista com os preços do petróleo, como tem acontecido desde maio de 2020, quando a Opep+ decretou megacortes em sua produção, trazendo o petróleo de território negativo para um salto bastante razoável de US$ 100 por barril”, disse Louise Dickson, analista sênior de mercados de petróleo da Rystad Energia.

“A expectativa predominante é de que o mercado, apesar de alguns picos de queda causados ​​por sustos de demanda pandêmica, continue sendo negociado em alta no petróleo, já que existe escassez real de oferta tanto no curto quanto no longo prazo”, acrescentou.

Mais uma vez, John Kilduff, da Capital, disse que uma queda no dólar na quinta-feira (03) contribuiu para o salto mais alto do petróleo. Quando o dólar avança, o petróleo fica mais caro para os compradores estrangeiros.

“A queda vertiginosa de hoje no dólar americano foi o catalisador necessário para conter as vendas que surgiram após a reunião da Opep+ e alguns dados econômicos fracos recentes”, declarou ele .

Kilduff acrescentou que, embora a marca de US$ 100 “pareça inevitável”, “não será fácil”. Ele observou que a oferta está voltando ao mercado e disse que as dificuldades econômicas da China podem ser outro vento contrário.

Fonte: CNBC

CATEGORIAS
TAGS

COMMENTS

Wordpress (0)
Disqus (0 )